terça-feira, 14 de outubro de 2008

LULA E OS PASTORES

No início dessa crise econômica mundial, antes mesmo dessa quebradeira geral dos bancos e o despencar das bolsas de valores, todos os brasileiros ouviram o nosso querido presidente dizer que o problema não era com ele. Perguntado por um repórter sobre o problema, ele respondeu: "Crise? Que crise? Vai perguntar para o Bush".

A coisa piorou, e o bicho pegou para todos os países do mundo, numa prova incontestável que não somos uma ilha. O mundo atual é de uma economia global, interligada e dependentes uns dos outros. Mas mesmo assim nosso presidente anda falando aos quatro ventos que o Brasil está imune a crise, que temos 207 bilhões de dólares de reserva, que temos um mercado interno poderoso e sólido, que temos agora o pré-sal, enfim!

Qual o impacto dessa crise em missões? Ainda não sabemos, mas uma coisa é certa: Dolar mais caro, maior dificuldade de se enviar missionários! O meu medo é os nossos digníssimos pastores continuarem dizendo (no mínimo pensando) que o problema espiritual do mundo é dos EUA; que nações ricas que devem fazer missões; que igrejas grandes é que devem enviar missionários.

Digo isso porque é um costume nosso brasileiro, de jogar o problema para outros e para gerações futuras. A questão é que a muito tempo o mundo não-alcançado está esperando a igreja. E qual resposta daremos é o que o Senhor quer ouvir!

6 comentários:

................................................................................WIlliam Santos disse...

Olha a frase “O dólar esta em alta, investir agora é perder dinheiro”, com certeza, é de suma importância a quem investe na economia global analisar a linha do sobe e desce da moeda americana. Mas absurdo mesmo é ouvir de um líder Cristão a mesma frase,
“O dólar esta em alta, investir em missões agora, é perder dinheiro”. Acredito que a sensatez é amiga dos inteligentes, mas a ignorância anda junto com os fracos, tanto de alma quanto de espírito, investir em missões independe da alta da moeda estrangeira ou de sua queda, investir em missões é empregar no reino de Deus valores de conquistas, humanitárias, sociais e alem, o espiritual, pergunto: Com a alta do dólar um missionário não se alimenta? A família de um missionário vivera do que em uma época como esta?
A questão é clara, quem não investe em Missões fica a espreita buscando desculpas para justificar sua falta de espiritualidade e amor a obra. Investir em missões é como devolver os nossos dízimos, é o exemplo claro do amor ao Reino, quem não investe em missões, não investe em si próprio.

Pr. William Santos

WIlliam Santos disse...

Parabens pelo seu artigo Missionario Jamierson, segue a minha opnião sobre o assunto

Pr. William Santos

JAMIERSON OLIVEIRA disse...

Legal William, vc está correto!
Até pq a igreja brasileira particularmente, é uma igreja rica. É só olhar o custo de alguns templos e o que gasta aqui. Nossa crise não é econômica, é de obediência!

Abração,

Eliabe k. Fernandes disse...

Com o Dolar altissimo e se nos colarcamos nossa fé em assao temos uma grande oportunidade de sermos mais abençoado___ digo isto porque fazer missão com dinheiro ___ é até facil___ e nesta crise e abrirmos nosso coração___ com certeza o Senhor abrirá as comportas do Céu e derrmara grandes benção em nossas vidas___
grato
Eliabe k. Fernandes

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Jamierson!
Graça e Paz!
Parabéns pela postagem!
Assim como abordou o amigo Willian, entendo que missões não é algo "sazonal", ou do tipo, "se der".
Esse tipo de pensamento de alguns, revela irresponsabilidade com o "IDE" e acima de tudo com o próprio Deus.
Que o Senhor tenha misericórdia de nós.
Pr. Carlos Roberto

PROJETO MAANAIM DE MISSÕES disse...

Fazer missões sempre foi um risco que muitas igrejas não querem correr, para não assumir responsabilidades com indivíduos e,tampouco, gerar os seus próprios missionários.Com isso jogam a responsabilidades em cima de agências missionárias que com medo de perder dinheiro, esquecem que missionários têm dificuldades financeiras no campo, independemente de estarem sendo sustentados pelas agências-empresariais-missionárias.
É lamentável!!!...
A propósito, parabéns pelo artigo.